segunda-feira, 4 de maio de 2015

A história de Silverthorn - Primeira Parte

Silverthorn foi o décimo álbum da banda americana, de symphonic metal, power metal e metal progressivo, Kamelot. Mais um álbum conceitual deles. Encontrei a história dele na internet e vou disponibilizar a tradução (by Google) em cinco posts. Ela está disponível na edição de luxo do álbum, em um livreto, que contém um cd duplo, o normal com bônus e o instrumental, além de um pôster autografado. A primeira parte começa abaixo:



Silverthorn Storybook

The story of Silverthorn
A história de Silverthorn

Não existem histórias que ninguém queira ouvir. Existem histórias que ninguém quer contar. E então, existem histórias que infeccionam e apodrecem, corroendo a alma até que não exista outra saída senão levá-las a luz do dia, não importando o quão fria e insensível essa iluminação se provar ser aos que a encontram.

Eu temi a luz da verdade, preferindo viver privado e encolhido nas sombras da negação. Esta é uma vida que não tem mais a possibilidade de ser realizada, não importa o quão horrenda essa alternativa possa parecer. Assim eu vim para abraçar essa luz que poderia ser a destruição da minha existência, como eu a conheço, no entanto tortuosa e tumultuada como dizem que ela deve ser, desde aquele fatídico dia, há algum tempo atrás. Este é o meu legado construído dentro de um grande palácio de arrependimento.

...

O ano era 1865 e era o auge de um verão especialmente próspero e pacífico em Costwolds. Embora houvesse muita discussão sobre uma devastadora fome, que fazia seu caminho através da Irlanda e uma grande guerra civil que tinha acabado de terminar nas ex-colônias, a Inglaterra estava crescendo tanto economicamente quanto em população. Parecia que em todo lugar que olhávamos, bebês estavam sendo envoltos, mimados e amamentados. Lords e Ladies da região estavam recebendo convite atrás de convite para suntuosas e extravagantes festas lançadas pela nobreza de toda parte.

Cada refeição era um banquete e nós tínhamos mais jardineiros, empregadas, cozinheiros e babás do que nós pudéssemos lembrar os nomes. Mágoa e perda eram palavras estranhas e distantes a nós e nunca pensamos que as conheceríamos. Os idas eram longos, o paraíso e a gloriosa luz do sol tinham feito de Costwolds sua nova residência. Como éramos filhos de pais bem-nascidos, não tínhamos uma preocupação no mundo e passávamos o dia brincando sobre os grandes pastos verdes ao redor de Wheatley, na nossa casa de verão perto dos lagos Someford.

Nosso pai, Alistair, era um respeitável Bellewater de Cheltenham. E nossa mãe, Vivienne, era a mais bela e amada da família McKenna de Gloucester, era uma violoncelista completa, que amava adorar seu instrumento feito de madeira de borda, num pavilhão em frente a uma gentil colina fora de Wheatley. Vivienna McKenna era o nome de solteira antes de ela se tornar Vivienne Bellewater e acabar estabelecendo sua própria família. Ela já tinha tocado até mesmo para a Rainha Victoria durante um banquete político com a Rainha Isabella, da Espanha.

Gostávamos de sentar e escutá-la praticando e, inevitavelmente pedíamos a ela para contar as histórias sobre sua performance para a realeza outra vez, suas descrições sobre as companhias e coroas das rainhas eram as nossas partes favoritas do conto. Vivienne deixou tal impressão na rainha, que ela e Alistair foram convidados para o casamento do Príncipe de Gales e da Princesa Alexandra da Dinamarca, em Winsdor, 1863. Embora ela não se apresentasse em festividades, foi a maior honra já dada a um músico, e para nós, os nossos pais eram tão nobres como os da casa de Saxe-Coburgo e Gotha.

Não havia nenhum homem que tinha um amor maior por sua mulher em toda a terra do que Alistair Bellewater. Ele adorava cada detalhe de Vivienne e estava estasiado com seu talento com o violoncelo. Para o casamento deles, ele mesmo fez-lhe um presente, o mais belo arco de violino que qualquer um já tenha visto. As extremidades eram adornadas com prata. Nossa mãe se referia a essa magnífica ferramenta simplesmente como seu "Silverthorn", e tratando-o com o máximo de cuidado.

Como sempre, naquele ano, quando arrumamos nossa bagagem para Wheatley, Silverthorn ia fazer a viagem com a gente, ao lado de minha mãe. Já há algum tempo, nosso pai parecia incomodado com alguma coisa e nossa mãe estava gastando uma quantidade crescente de tempo criando nossa irmã mais nova, Jolee, a jóia da família; orgulho e alegria dos meus pais. Mamãe ficou muito doente por alguns meses, enquanto todos os outros lares que eu conhecia estavam ganhando um membro da família quase todos os anos, Jolee estava se aproximando dos 6 anos de idade e nós ainda não tínhamos um irmãozinho ou irmãzinha mais novo. Uma noite, durante o jantar, soubemos que a nossa tia Elizabeth tinha dado à luz ao seu sétimo filho, meu irmão gêmeo Robert perguntou meu pai quando teríamos um novo irmão também. Nosso pai socou o punho na mesa e nos proibiu de fazer tal pergunta. Nossa mãe desculpou-se e correu para fora da sala em lágrimas.

Mais tarde naquela noite, como eu estava intrigado sobre a reação dos nossos pais à pergunta de Robert, uma música subia para a minha janela, algo que eu nunca tinha ouvido minha mãe tocar antes. Era uma melodia tão devastadoramente bela que penetrou na minha pele, seu sinuoso caminho através do meu sangue para o núcleo de minha alma, eu estava paralisado. Robert e eu olhamos um para o outro em silêncio absoluto como se perceber a situação de nossa família nos tivesse atingido como milhares de navios de guerra. A partir desse momento, Jolee se tornou nossa jóia mais preciosa, pois nunca poderíamos ser mais do que três irmãos. Embora houvesse uma leve brisa, o dia estava quente, e após algumas semanas nós tínhamos decidido brincar nas margens do rio Bittenham nas horas ensolaradas.

Robert e eu estávamos soltando uma pipa colorida feita de seda da China cuidadosamente cortada e tingida em um complexo padrão para formar um dragão com uma longa cauda vermelha, era o nosso bem material mais precioso na época. Jolee estava ocupada escrevendo nossos nomes na lama irregular ao longo da margem do rio, contente, nos procurando e sorrindo freqüentemente. Ela logo começou a ficar inquieta com seus esforços e pediu para que deixássemos a soltar a pipa. Não era cômodo nem pra mim, nem pro meu irmão e nós continuamos a dançar ao redor, ignorando apelos Jolee para soltar o “dragão”. Por fim, nos cansamos da brincadeira e decidimos nos divertir um pouco as custas dela, como garotos tolos estão acostumados a fazer.

Não havia nada que Jolee gostasse menos do que dizerem que ela não era capaz de fazer alguma coisa, porque era uma menina. Ela fazendo beicinho sempre nos fazia rir, então esse era o nosso jogo. Nós corremos e pulamos, fazendo o dragão brincar deste e daquele jeito, dizendo a ela que só tinha que segurar, caso contrário, viria a cair no chão e nós estaríamos encrencados com ela. Robert estava segurando suas mãos para dar-lhe apoio, ele agarrou-a e disse-lhe que talvez fosse melhor parar, já que essa não era uma brincadeira de garotas. Ela ficou brava e tentou arrancar o apoio, mas Robert escapou de suas tentativas. Por fim, ele admitiu, mas não sem os nossos comentários sarcásticos que ela certamente iria arruinar a pipa ou fazer papel de boba. Mais determinada em provar que nós dois estávamos errados do que nunca ela concentrada mordeu os lábios o quanto nós a provocávamos. A pipa era tão grande e ela era tão delicada. Eu disse a ela que a qualquer minuto o “dragão” iria cair. Uma rajada de vento muito forte veio e ela foi jogada para trás. Nós rimos, mas isso só a fez mais teimosa a continuar agarrada a pipa. Foi ai que eu disse que a única forma de provar que ela era uma verdadeira mestra em soltar pipa era se a soltasse com os olhos fechados. Ela estava indo em direção a beira do rio, mas nós estávamos encantados com o “dragão” no céu. Houve um estrondo de um trovão e eu disse que era melhor parar e correr para casa antes que fossemos apanhados pela tempestade que estava em nossa direção. Jolee disse que eu só estava tentando enganá-la e foi lançada para trás por outro vendaval que ameaçava destruir o dragão de suas mãos. Nesse instante, o mundo ficou em câmera lenta. Grandes gotas de chuva começaram a cair. Um corvo gritou de cima. Jolee andou para trás e um arbusto prendeu em seu vestido e fez com que ela perdesse o equilíbrio.

Só então ela abriu os olhos e eles olhavam para mim no último instante que ela estava ligada com a terra. Seu impulso a levou ao longo da borda esculpida pelo rio para a água corrente abaixo.  Ela se manteve firme a alça do dragão, enquanto a grande besta de seda caia em cima dela. Seus pequenos braços e pernas foram amarrados a corda e o material fino da pipa foi grudando a cada pedaço de pele exposta. A queda para o rio era muito íngreme, de modo que não podíamos pular atrás dela, a água era particularmente perigosa na curva onde estávamos, carregando Jolee rapidamente embora. Nós gritamos de horror e tentamos dizer a ela para nadar até a beira da água, onde estávamos esperando com um grande galho de árvore para ela agarrar, mas ela só nos respondeu com esforçados respingos. Nossos gritos de socorro foram engolidos pelo trovão e não havia ninguém próximo. Corremos ao longo da borda para segui-la, mas o caminho tornou-se arborizado e lançaram-se grandes obstáculos em nosso caminho.  Finalmente um pedaço de seda colorida e o vestido azul-celeste apareceram numa curva do rio para fora da nossa visão Nós caímos de joelhos, chamando o nome de nossa irmã, aterrorizados e impotentes.

To be contiued...
Continua...

Grato ao Hércules por me mandar essa tradução e me fazer pesquisar sobre essa história até encontrar uma versão em inglês, já que não tenho o álbum de luxo.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Siga este blog por e-mail